Seja bem-vindo ao Simple Plan Brasil! Nós somos um site brasileiro sobre o Simple Plan com objetivo de difundir notícias, vídeos e conteúdos da banda. Este site é feito de fãs para fãs, ainda sem vínculos com integrantes da banda, mas temos apoio da Warner Music Brasil [+]

22.jpg
23.JPG
19.jpg
18.jpg
20.jpg
21.jpg

Últimas Imagens

Leia a tradução completa do documentário do #SPnoBrasil!

Assim como falamos aqui, finalmente o documentário do #SPnoBrasil foi disponibilizado e junto, publicamos um pequeno resumo em tópicos do que os caras falam nele. Mas agora, você já pode conferir a tradução completa do documentário feita pela nossa equipe. Sem mais delongas, leia abaixo:

O documentário começa com os caras se preparando para um show. Jeff passa sua camisa com um secador de cabelos e logo após ele aparece falando com uma de suas filhas via Facetime: – “Qual o melhor momento do seu dia?”, pergunta o guitarrista para logo em seguida dizer que a ama muito, muito e muito.

Logo em seguida, Pierre pergunta como dizer em português: “Obrigado por virem esta noite?”

Na narração, o Herby Moreau, apresentador da emissão diz: “Simple Plan é o grupo quebequense mais popular do mundo e estão à alguns minutos, antes de subirem ao palco de um dos maiores teatros de São Paulo, no Brasil.”

HM: Quantas turnês em dezessete, dezoito anos?
Pierre: Vamos dizer que nós façamos duas turnês por álbum, vezes cinco. Isso dá umas dez turnês mundiais. Entre nós, é um sentimento de família, somos como irmãos. Nós sabemos que se tem alguma coisa difícil que aconteça, nós vamos passar por cima, mas vamos continuar juntos.

HM: A vida em turnê para vocês é o quê?
Jeff: É a realização de um sonho, é muito gratificante, espetacular. É difícil muitas vezes.

HM: A vida em turnê do Simple Plan, com um pouco mais de quinze anos, é uma verdadeira maratona de shows, aeroportos e de fãs que os aclamam através do mundo.
David: No começo era no Canadá, depois nos Estados Unidos, em seguida no Japão…

HM: Mas essa vida de sonhos é verdadeira?
Chuck: A vida de turnê nem sempre é glamorosa, nem sempre é fácil. Muita espera, algumas dificuldades todo o tempo.
Pierre: Eu passo mais tempo com eles do que com minha esposa e minhas filhas.

HM: Cinco amigos que no começo queriam apenas fazer uma boa música rapidamente se tornaram estrelas mundiais.

Com alguns fãs brasileiros e ao lado de Séb e Chuck, Pierre apresenta a banda: “Olá, aqui é o Simple Plan diretamente de São Paulo Brasil.

Os fãs gritam e o Moreau continua:

HM: Mas por traz de toda essa histeria, se esconde uma outra realidade e pela primeira vez, os cinco meninos aceitaram contar como é a verdadeira vida de um rock star, de como é a vida em turnê.

Uma tempestade de neve cai sobre Montreal, mas isso com certeza não preocupa Jeff Stinco, o guitarrista do Simple Plan, que estará em algumas horas sob o sol do Brasil, onde começará a turnê sul-americana do grupo. Mas antes de deixar sua casa para encontrar milhões de fãs em delírio, Jeff tem apenas uma prioridade. Inscrever sua filha em um curso de ginástica.

Jeff: Isso tem que ser feito hoje, pois há uma data limite. E eu passei a data. Eu fui avisado, mas acabei esquecendo. – ele continua – Você está rindo, mas se eu não conseguir fazer isso eu vou ter que escutá-la falar durante meses. Imagina só: Você retorna de uma turnê, todo feliz e sua filha te olha chorando: – “Papai, não tem mais vaga na ginástica.” Isso não pode acontecer!
HM: Isso já te aconteceu alguma vez?
Jeff: Nunca!

HM: Jeff Stinco, o guitarrista do grupo é conhecido pelo seu rigor no trabalho e sua energia no palco. Muito apreciado pelos fãs, ele é um verdadeiro rock star, mas antes de tudo, um pai muito atencioso.

Jeff: Eu amo ser pai, acho genial. E minhas crianças são muito legais. O que é difícil é a partida. Isso é muito, muito difícil. Essa manhã, durante o trajeto da escola, minha filha mais velha (minha filha mais nova já é um pouco mais independente) – me abraçou forte e não queria mais soltar e isso é muito emocionante. E ao mesmo tempo ela me falava um monte de coisas que eu ainda não tinha feito, um pouco ambíguo, mas era a maneira que ela encontrou para que eu ficasse um pouco mais com ela ali. Eu tentei manter as aparências, mas eu tinha uma pequena lágrima que caia do meu olho.

HM: E do outro lado do continente, mais precisamente em Los Angeles, Chuck Comeau, o baterista do grupo se prepara também para dizer tchau a sua família. O co-fundador do grupo, que está desde o começo da formação ele está dia após dia atrás da sua bateria. Mas o seu novo papel de pai é a sua primeira paixão.

Chuck: Pra mim a parte menos divertida de partir em turnê é ir e deixar minha família, pois não é sempre que eles podem vir. De ir e perder muitas coisas. Eu sempre fui o cara mais ligado na banda, um pouco egoísta, no sentido que isso sempre foi minha prioridade, a única coisa que eu queria. A primeira coisa que eu pensava quando acordava e a ultima coisa que eu pensava quando dormia. Agora isso ainda é um pouco assim, eu ainda tenho essa obsessão, mas agora com um pouco mais de equilíbrio.

Por vídeo câmera, Chuck conversa com Jeff sobre London. – Eu levei ele em alguns lugares, mas agora está um pouco corrido e o Brasil é um pouco longe para London. Brevemente…

HM: Partir em turnê com tudo funcionando corretamente exige alguns detalhes. E para Jeff e sua companheira Michelle alguns são indispensáveis.

Enquanto Michelle lava o tênis de Jeff, o guitarrista prepara sua mala separando algumas camisetas.

Jeff: Vamos la! Quantos shows vão ser? Rio, São Paulo, Porto Alegre, Belo Horizonte, depois disso tem Argentina, Paraguai, Chile…

Michelle chega para o ajudar: Lima.

Jeff: A vida de turnê é muito difícil para um casal. O egoísmo ao redor de uma carreira de músico, você realiza o teu sonho. Você se pergunta muitas coisas sobre você mesmo, você se volta muito a você mesmo. E num dado momento, eu sei que nos meus vinte anos eu não tinha todas as ferramentas que eu deveria ter para saber que sim, você pode viver esse sonho, mas também ao mesmo tempo se projetar na realidade da pessoa que fica para traz. Eu vivi uma separação muito difícil, eu fiquei com alguém por anos, que me seguiu nesta loucura desde o começo do Simple Plan e eventualmente nossos caminhos se separaram um pouco, foi muito difícil, nós tínhamos filhos juntos. Pois é um pouco isso a vida, quando você está em turnê tudo é resolvido por você, mas quando você retorna pra casa, você tem responsabilidades, você tem que entender a realidade das pessoas que vivem uma vida em Montreal, que tem suas próprias vidas e essa mudança foi bem difícil. Passei muitos dias para me adaptar e eu acho que com o tempo eu aprendi muito e sinceramente os outros membros do grupo me ajudaram muito.

Com imagens do aeroporto de Montreal coberto de neve, Jeff continua.

Jeff: Se olharmos para fora está nevando. E nós estamos indo para trinta graus positivos no Rio.

HM: Jeff se despede de sua namorada Michelle, para encontrar-se com o outro guitarrista do grupo Sébastien Lefebvre, também pai de uma menininha. Os meninos passaram do sonho à realidade de rock star através dos anos, nem conseguem contar a quantidade de shows que fizeram juntos.

Séb fala para o câmera que o filma: – O caminhão chegou, então agora que começa. Você pode olhar minhas bagagens por favor?

E enquanto tiram os equipamentos do caminhão Jeff desabafa: – É muito glamurosa a vida em turnê.

HM: Quarenta bagagens de equipamentos para duas semanas de turnê se parece com isso. (vários carrinhos com as bagagens em cima). Jeff e Sébastien partem de Montreal enquanto Pierre e Chuck partem de Los Angeles. Assim como Chuck, Pierre também mora na Califórnia e também tem que deixar a esposa e as filhas pelas duas próximas semanas e se encontrar todos no Brasil. Todos ou quase todos. Pela primeira vez na história do grupo eles não serão cinco, mas sim quatro a subirem no palco. David Desrosiers, o popular baixista da formação não irá. Algumas semanas antes da turnê sul-americana, ele surpreendeu seus colegas anunciando de que não seguiria com eles nesta nova aventura. Cansado, excesso de trabalho, os rumores correm. O ponto é que algo fez o jovem homem parar um pouco.
O apresentador do programa pergunta a David:

HM: Por favor, explique um pouco de onde partiu essa decisão de parar este momento.
David: Bom, eu diria que eu me ouvi. Meu corpo me falava e eu vivi alguns acontecimentos no ano passado que me excederam um pouco. E eu apenas precisava voltar um pouco. A turnê pra mim significa muito movimento. Não estar no mesmo lugar por muito tempo, e eu estou tentando diminuir um pouco o ritmo. Eu me tirei da tomada e eu vou para Matane, onde eu nasci, na casa da minha mãe.

HM: Como vocês estão vivendo a ausência de David?
Chuck: Claro que nós estamos com medo. “Será que os fãs vão gostar disso?”
Jeff: Vivemos uma angústia, mas acho que tivemos uma atitude pragmática e rápida. A pergunta era: “Como vamos resolver esse problema?” e ao mesmo tempo nós não tínhamos muita escolha. A logística para o Brasil é um pouco complexa.
Chuck: Sim, é complicado de fazer show lá e nós queríamos ir com toda certeza e depois que isso foi decidido, nós fomos!

HM: São Paulo, cidade de doze milhões de habitantes, espera impacientemente por Simple Plan. Depois de doze horas de vôo os quatro membros do grupo se encontram enfim, mas uma pequena surpresa os espera.
Jeff: Está tendo uma greve na alfândega brasileira. Nós passeamos com todos os equipamentos de $55.000.
Chuck: Digamos que é um pouco mais complicado quando nós mesmos temos que transportar os equipamentos

HM: Mesmo os funcionários do aeroporto ficaram impressionados de verem desembarcar os quatro meninos em São Paulo.
Chuck: Nós não víamos a hora de voltar para o Brasil. Não é como em outras turnês ou os outros shows.
HM: No que se torna especial?
Chuck: Eu acho que a diferença é que existe uma grande base em torno da banda ainda, existe uma excitação que nos diz como somos sortudos, nós temos isso em várias partes no mundo, mas no Brasil é ainda mais acentuado. É algo um pouco mais caótico.
Pierre: Eu amo o Brasil!

HM: E assim partimos para a primeira loucura.

Chuck: Para nós é importante ter um tempo com os fãs, é um pouco nossa “marca comercial”. É isso que um pouco define o Simple Plan, nossa banda, nossa personalidade. Isso vem do fato que um: nós gostamos disso e dois: ser gentil com as pessoas nós dá prazer.
Jeff: Isso é engraçado no Brasil, as meninas te agarram para tirar fotos. É um pouco diferente!
Chuck: Nós queríamos nos definir como a banda mais acessível no mundo.

HM: E todo um desavio para o diretor de turnê que tenta ter um pouco de controle da situação.

Jeff: Eu não sei qual é a cidade mais louca pelo Simple Plan.
Pierre: São Paulo
Jeff: Você acha?
Pierre: Com certeza. Você está cheio de marca de batom.
Jeff: Eu sei, estou cheio. Eu vou mandar uma foto daqui a pouco para as meninas. “Viu só, eu falei pra vocês que o papai era legal!”

HM: E também tinha essa fã que decidiu não esperá-los no aeroporto, mas sim no hotel.

Jeff: Olá como você está? Não chore, senão você vai me fazer chorar também.
Pierre: Hein! Você conseguiu!
Jeff: Bom, nós chegamos no hotel. O segredo foi bem guardado, pois está tudo calmo.
Chuck: Check in feito. Quarto 1310!

Moreau bate na porta do quarto do Pierre.

Pierre: Entre, bem-vindo a minha casa! É igualzinha a do Chuck.

HM: Qual é a sua relação com quartos de hotéis?
Pierre: Eu gosto muito quando posso abrir as janelas.

Enquanto Chuck testa a cortina automática, Jeff pega uma toalha.

Jeff: Vou me preparar pra ir pra piscina.
Pierre: Poder respirar o ar fresco do Brasil, da América do Sul, do hemisfério sul, no verão.

Chuck liga para alguém e Pierre comenta sobre o colega de banda.

Pierre: Digamos que Chuck é um pouco o gerente, eu acho que ele gosta disso e eu acho que ele é bom nisso e é uma paixão dele.

Chuck continua a falar no telefone: – Eu acabei de verificar, tudo está certo com os quartos.

Pierre: Mas claro que isso tem o problema de que se tem uma reclamação cai sobre ele também. Mas eu acho que como grupo nós apreciamos o que ele faz e alguém precisa fazer.
Chuck: Não é o maior quarto do mundo, mas está muito bom.

Pierre: É um show especial, o David não está aqui. Qual é o plano?
Séb: Temos a gravação dele. É o David que toca.
Pierre: É como se ele estivesse aqui na verdade?
Séb: Exatamente! É o David que toca. Ele que toca, só não está aqui fisicamente. A única coisa é que para as músicas do primeiro disco, como são mais tranquilas eu vou tocar o baixo.
Chuck: Você vai tocar o baixo?
Séb: Sim, e Chady vai tocar guitarra.

Jeff: Felizmente nós temos conosco um fotógrafo que toca guitarra muito bem. Ele é um músico que tocou muito. Chady pode nos ajudar também musicalmente falando. Essa é uma versão um pouco mais compacta do Simple Plan, mas os fãs foram muito compreensíveis. Eu acho que eles gostaram muito, pois tentamos ser os mais generosos possíveis. Nós fizemos o melhor que nós poderíamos fazer com o que nós tínhamos.

HM: E David, como ele viveu esse momento único para o grupo?
David: Eu acho que teve muita mensagem positiva e eu tive mesmo alguém que me mandou um vídeo de um dado momento onde Pierre fazia os fãs cantarem e dizia: “Cantem mais forte para que o David escute!” Isso me tocou muito.

O primeiro show termina e Jeff comenta:
Jeff: Foi um ótimo show, que público incrível!
HM: E qual foi o sentimento após o primeiro show de São Paulo?
Jeff: Nós conseguimos tocar, nós conseguimos subir a banda…
Chuck: É como que tivéssemos conseguido quebrar o gelo. Depois disso sentimos que a turnê será legal.

HM: Depois do show e do encontro com os fãs, Chuck quer apenas uma coisa: estar sozinho no seu quarto de hotel para poder falar com a sua esposa e seu filho.
Chuck: Você sabe onde o papai está? No Brasil! Uau, você encontrou uma pedra! Bom, agora é hora do papai ir dormir, London. Tchau.

Jeff: Bom, agora nós estamos no aeroporto, nós dormimos bastante, quatro horas e agora a gente vai para Belo Horizonte.
HM: É melhor para vocês irem de avião de uma cidade a outra do que de ônibus?
Séb: Nós não podemos ir de ônibus aqui. Não sei porque, mas o ônibus é apenas na America do Norte e na Europa, no resto do mundo é de avião. Na Austrália temos que voar por tudo pois existe leis extremamente escritas de segurança onde você não tem o direito de estar em um veículo em movimento se você não esta com o cinto de segurança. Ah, algo muito importante nos aeroportos. Sempre desçam pelas escadas.

HM: Como fazemos para encontrar um equilíbrio estando em turnê?
Jeff: Eu acho que cada um tem seu método para encontrar equilíbrio.
Pierre: Pra mim é aceitar o fato que não tem equilíbrio, talvez ser um pouco menos crítico deste lado e aceitar: “Eu estou cansado, não estou afim de me levantar para pegar o avião desta manhã, mas eu não tenho escolha.” Você prende sua respiração e segue, um dia de cada vez, um show de cada vez, mesmo uma hora de cada vez.

HM: Cansado?
Pierre: Sim, um pouco. Nós nos queimamos rápido em vinte quatro horas, né?

HM: Vocês são cinco e tem um sexto membro no grupo.
Pierre: Hein?
HM: Tua voz. Como vocês gerenciam que a tua voz as vezes pode ter alguma disfunção e fazer vocês anularem alguns shows, como aconteceu?
Pierre: Estar em turnê e fazer viagens como fazemos, fazer shows, pegar avião de manhã, show de uma hora e meia, fazer Meet&Greet de uma hora, as pessoas querem fazer entrevistas também, isso é difícil para a voz.

Esta turnê brasileira marcou também para Pierre uma volta aos palcos depois de quatro semanas afastado.

HM: O que foi exatamente que você teve?
Pierre: As cordas vocais são como cordas que se movimentam juntas e antes de ter danos pode acontecer de inchaço e se não tivermos cuidados esse inchaço pode evoluir até mesmo para uma cirurgia.

HM: Então foi por este motivo que no outono de 2016 quando eles estavam prontos para colocar o pé na estrada eles anunciaram que iriam postergar as datas da turnê canadenses do grupo. Os fãs deveriam esperar e deixar Pierre repousar sua voz.

Pierre: Eu passei duas semanas sem dizer uma só palavra, depois disso a terceira semana um pouco mais silencioso e na quarta semana, começamos o ensaio e eu voltei. Eu tenho os meninos que me dão um total suporte e com os anos e todas as situações que já aconteceram acho que eles já entenderam que eu faço meu possível e isso eles acreditam e sabem.
David: E você não é um cara festeiro também. Existem vários cantores que fazem a festa durante toda a noite e perdem suas vozes. E Pierre não é assim.
Séb: E também isso não é algo que acontece com frequência.
Pierre: Exatamente, em quinze anos nós cancelamos três ou quatro vezes?
Séb: É, três ou quatro.
Pierre: Então isso me deixa seguro.

Na van, enquanto lê uma carta Chuck comenta. – Nós recebemos muitas cartas de fãs que nos aguardam, sejam nos shows ou em aeroportos, pouco importa e eu me esforço ao máximo para guardar tudo e ler porque sempre tem mensagens que são muito comoventes. É muito legal fazer discos e shows, mas de um outro lado a música também pode tocar verdadeiramente as pessoas.

HM: Chegamos em um hotel e lá tinham algumas fãs que estavam no aeroporto que seguiram vocês até o hotel, elas reservaram um quarto no hotel para estarem próximas de vocês. Isso sempre acontece?
Pierre: Acontece bastante nos países latinos. México, Brasil eles amam esse tipo de coisa e é aceitável esse fanatismo e é até um encorajado eu diria.

HM: Com todo o respeito que vocês tem com os fãs, em qual momento é demais?
Pierre: Acho que depende do dia. As vezes nosso limite está grande e a gente tem a energia para isso, mas tem dias que pra mim eu me levanto de manhã e não quero, então eu coloco meus óculos, e meu boné. Mas em outros dias eu estou tipo: Uhuuu!!! Venham!!!
Séb: Por exemplo: Nós chegamos em uma cidade onde o fã está no aeroporto e nós tiramos uma foto, isso é ótimo. Depois o encontramos no hotel, tiramos outra foto, tudo bem. Depois nós o vemos no Soundcheck, fantástico, outra foto, depois o vemos no VIP, é óbvio, a gente conversa um pouco mais e aí eu estou bem cansado, me levanto cedo no dia seguinte e quando vou sair do hotel lá está ele novamente. Essa última foto eu acho que talvez seja um pouco demais.

Na frente do hotel, enquanto tira fotos com os fãs Jeff desabafa:

Jeff: Sim, eu fiz uma pequena siesta¹ de 20 minutos, precisava deste repouso, agora estou me sentindo bem melhor, meu sorriso está de volta.

siesta¹ = tradicional sono na Espanha

HM: Pierre também está descansando?
Jeff: Sim, ele está descansando. Eu acho que a diferença de horário e o dia de ontem nos pegou um pouco. E eu acho que tomar um Redbull as 10 da manhã não era uma boa ideia, eu quero evitar a partir de agora.
HM: E agora você está bem?
Jeff: Sim, estou bem! Eu acho que um exemplo onde é um pouco demais era da menina que tinha o rosto do Pierre tatuado nas suas costas, acho que era totalmente tão demais que ela decidiu tirar. Ela mesmo percebeu que era demais. Talvez isso teve algum efeito na sua vida amorosa, ela perecebeu que tinha ido muito longe.
Pierre: Eu acho que existiam algumas posições sexuais que não eram possíveis.

HM: Esta noite os quatro meninos vão fazer um show no Music Hall, uma casa em Belo Horizonte.

Frank: Eu sou o Frank Joly, o sonoplasta do Simple Plan.
HM: Você vai com eles em todas as turnês?
Frank: Todas as turnês há seis anos no mundo inteiro. Nós já fomos para uns cinqüenta países mais ou menos, fazemos amigos em todo o mundo.

HM: O Simple Plan é um grupo disciplinado?
Frank: Eu vou ser sincero, sim mas se tratando de Soundcheck, horário, sempre temos que esperar pelos retardatários.
HM: Pierre, parece que seus companheiros sempre tem que esperar por você no Soundcheck e para subir no palco. Uma situação que pode ocasionar as vezes pequenas tensões entre os integrantes do grupo.
Pierre: É porque eu subo o mais rápido que eu posso, mas eu me troco, tomo uma garrafa de água… As vezes se nós saímos do ensaio uns 20 segundos mais tarde está tudo bem, mas é claro que cada um de nós tem suas particularidades e o Charles, sobretudo durante um show ele tem um pouco de dificuldade de relaxar e ter um pouco de prazer, nós dizemos que ele está o todo tempo: “Vai, vai, vai”. Mas ele também é o cara que sempre empurra o grupo a estar…
Séb: No horário.

Enquanto Séb olha seu celular, Moreau pergunta à ele: – Qual a importância deste aparelho pra você?
Séb: Muda tudo. A comunicação com os fãs é obvio, até a saber a quantidade de e-mails, mas também a comunicação com nossas casas. Eu lembro que nas primeiras turnês que fizemos eu ligava para meus pais e dizia: “Estamos partindo em turnê, nos vemos em dois meses.” E apenas quando eu voltava pra casa eu contava como tinha sido.
HM: Agora com um telefone inteligente…
Séb: Muda tudo. Eu posso falar com minha filhinha, escrever para todos meus amigos quando eu quiser.
HM: Quantos anos tem sua filha?
Séb: Ela tem dois anos.
HM: Mas nas suas redes sociais nós não vemos muito sua filha.
Séb: Sim, é verdade.
HM: Isso é uma escolha sua?
Séb: Sim, quando ela me disser que quer isso eu colocarei, mas por enquanto ela é muito pequena para tomar essa decisão.
HM: E a turnê, está muito difícil?
Séb: Começar três shows um em seguida do outro com vôos a cada manhã é claro que cansa um pouco mais.

Jeff: Este show vai ser um pouco mais rock eu acho.
Pierre: Você acha?
Jeff: Sim, acho que vai ser muito legal. Alguns shows podem ser surpreendentes. As vezes podem ser momentos muito especiais.
Pierre: As vezes tem alguns shows que se destacam de outros, alguma situação, uma energia, o lugar, a platéia que está lá, um dia que minha voz está bem eu me acho tipo: – “Uau, isso é muito excitante.”
Jeff: Existe algo espetacular neste grupo, alguma coisa que permanece e você se pergunta: “Como eu posso agir desta forma?”, mas eu acho que esta vida nos dá uma oportunidade de continuar jovens.

No camarim, Pierre diz a Jeff. – Preciso trocar minha cueca.
Jeff: Tem um chuveiro ótimo aqui.
Pierre: O próximo camarim é igual a esse?
Chuck: O show da próxima turnê não tem chuveiro.
HM: O tradicional encontro após o show, deverá ser feito sem tomar banho, mas isso não parece incomodar os fãs. E o Simple Plan encontra todos esses fàs sem exceção.

Na academia do hotel, Pierre corre na esteira. – Quando eu tenho oportunidade pela manhã eu pratico um pouco, isso ajuda com o fuso horário um pouco. Então na minha rotina, quando eu posso eu faço isso. É um pouco difícil, quando por exemplo nós vamos para o Rio e vamos ter menos tempo.

HM: Pela força das coisas, Pierre, você é o cara mais em forma do grupo? Você diria isso?
Pierre: Se eu diria isso? Fisicamente? Não, eu não diria isso.
HM: Então quem é o cara mais em forma do grupo?
Pierre: Chuck, pois fazem vinte anos que ele toca bateria, além disso ele treina bastante, come bem.

Na porta do seu quarto de hotel Jeff fala: – Bom dia. Está um pouco caótico, nós passamos vinte horas aqui no quarto e eu consegui fazer toda essa bagunça. Esta é a minha maneira de me apropriar do espaço. Ganhei algumas coisas e agora estou guardando, e eu tenho que arranjar espaço para tudo. Eu escutei falar que tem muitos fãs que estão aqui no hotel, eu vi algumas no elevador passando ontem. Não sei se eu já contei isso, uma vez no Peru, eu cheguei no meu quarto, eu tinha bebido um pouco de vinho e o quarto vizinho ao meu eram de doze fãs do Simple Plan. Eu fui conversar um pouco com elas e logo depois fui me deitar. Erro fatal! E elas ficaram batendo na porta do meu quarto até as 4 da manhã e num dado momento eu abri a porta e falei: “Isso precisa parar.”
Séb: Eu lembro deste dia, eu estava no quarto vizinho ao delas do outro lado.Eu estava passando pelo corredor e a porta estava aberta, eu vi que tocava Simple Plan e eu passei bem rapidinho e entrei no meu quarto.

HM: Novo dia, novo show. Mais uma vez, direção ao aeroporto, em algumas horas o Simple Plan estará no Rio.

No aeroporto Pierre encontra duas fãs.

Fã: Isso é para você!
Pierre: Muito obrigado!
Fã: Nós também estamos indo para o Rio!
Pierre: Maravilhoso.
Fã: E depois iremos para Porto Alegre.
Pierre: Fantástico. Nos encontramos lá então.

Fã: Nós nos conhecemos por causa da banda. Nos tornamos amigas por causa deles.
HM: Então vocês estão fazendo toda a turnê?
Fã: Sim, estamos fazendo toda a turnê. Nós somos daqui, fomos para São Paulo, em seguida aqui, depois Rio e Porto Alegre.
HM: Como vocês financiaram isso?
Fã: Nós trabalhamos.

Chuck: Nós temos 48 horas aqui no Rio e vamos tentar fazer o máximo que pudermos para nos divertir, temos um dia de folga amanhã, um show hoje, vai ser um pouco intenso, mas vamos aproveitar.
Jeff: Bastante amor no Rio, um pouco mais que outros lugares eu diria. Eu acho que vai ser um ótimo show esta noite.

Já no hotel Jeff conclui: – Um pouco mais caótico do que nos outros hotéis e nós estamos ao lado da praia. Eu acho que vou fugir pra conseguir ir pra fora.

Com o celular no balcão no hotel, Chuck fala com seu filho. – Onde o papai está?

HM: Para fazer uma sessão de fotos improvisada tranquilamente na célebre praia de Copa Cabana, o grupo é obrigado a sair pela porta de serviço do hotel. A nova realidade da turnê será eternizada como momento de vida para alimentar as redes sociais.

Chady: A cada dia eu tiro em média umas mil fotos entre o show e durante o dia e a noite eu quero tirar pelo menos algumas para poder postar o mais rápido possível. Nós fomos a praia para tirar algumas fotos, pois é importante mostrar para as pessoas que eles estão se divertindo.
HM: Então não devemos sempre acreditar no que nós vemos na internet.
Chady: Não acredite (risos). O grande sorriso de Pierre e todos os outros, as vezes temos que forçar, mas precisamos mostrar.
HM: Você é um criador de felicidade.
Chady: Exatamente.

HM: No camarim do Rio, um pouco antes do show, Pierre quis dividir uma das suas melhores lembranças de turnê.

Pierre: Nós fizemos um show em Sant’Anna que é mais ou menos a uma hora e quinze, uma hora e meia da minha casa e minha esposa decidiu por ela mesma de convidar todos nossos amigos para virem e é claro que nós temos muitos amigos que tem filhos. E ela organizou um ônibus de umas 30 pessoas que eram 18 crianças e 12 adultos, crianças pequenas de 3, 4 anos vieram todas de ônibus a Sant’Anna num bar de rock e as pessoas se olhavam tipo: – Quem são essas pessoas? E eu tenho amigos que conhecem minhas músicas e que tem filhos, então foi bem especial.

Enquanto mostra suas mãos para a câmera, Chuck diz: – Vai ser um show um pouco difícil pra mim, estou com as mãos machucadas. Geralmente não acontece isso, mas fazia quase um mês que eu não tocava.
HM: Você também está com calos nas mãos.
Chuck: Pois é, está toda machucada, não estou com um bom pressentimento para essa noite. Não vai ser muito agradável. Eu estou tendo dificuldade para abrir uma porta, para abrir uma garrafa de água. Vou ter que colocar esparadrapos e tentar sobreviver a isso.
HM: Como você definiria a turnê até o momento?
Chuck: Ah, muito boa! As pessoas estão presentes, as reações são boas.

HM: Enfim, um dia de descanso merecido para o Simple Plan. Jeff e Sébastien decidiram repousar no sol no terraço do hotel. Por que apenas vocês dois que estão aproveitando o sol? Os outros não entenderam?
Jeff: Acho que eles não entenderam (risos)
Séb: Acho que o Pierre preferiu não falar muito, para se proteger. E Chuck já fez a foto. Quando ele faz a foto e está no Instagran, o resto ele não precisa fazer de verdade.
Jeff: Tem alguém da nossa equipe, speedturismo, o Frank olha todos os pontos turísticos que tem numa cidade vai e tira foto, o Charles é um pouco neste espírito.

HM: Chuck, do seu lado, preferiu ficar no seu quarto para corrigir alguns detalhes da próxima turnê do grupo. Você saiu um pouco?
Chuck: Não, eu não tive muito tempo. Só sai para ir almoçar lá em baixo. Se talvez eu tenha um arrependimento nesses quinze anos de banda é de talvez não ter aproveitado mais alguns momentos e de sempre estar pensando: “Qual é o próximo passo?”

No telefone, Chuck fala: – Olá, como está?
– Bem e você?
Chuck: Estou bem, nós estamos no Rio e ontem a noite foi ótimo. Eu gostaria de revisar com você algumas coisas.
– Estados Unidos, sim.
Chuck: Sim , sim. O grande problema pra mim são as datas de Nova York.

Chuck: No fundo é chato, pois você perde um pouco a cumplicidade, você perde um pouco o prazer de ter feito alguma coisa que é única. Não existem muitas pessoas que viveram tudo isso em banda. Em todo caso, eu espero desta vez de ter mais lembranças e viver mais o momento presente e de tentar aproveitar mais.

HM: A importância de um dia de folga durante uma turnê.
Chuck: É claro que faz bem de não ter umMeet&Greet, toda aquela loucura dos fãs, fotos, shows, soundchecks, nos faz bem.
Jeff: Eu acho que você consegue perceber que existe um aspecto repetitivo em tudo isso. Soundcheck, encontro com os fãs, um pequena pausa, o show, depois disso encontro com fãs novamente, hotel e tudo mais. Em um dado momento se você não dá uma pausa isso pode se tornar um pouco mecânico e eu gosto muito desta ideia de um dia como hoje onde você tira um momento, para se lembrar da cidade e para as suas lembranças de viagens.

HM: Até que idade vocês pensam que poderão fazer turnês?
Chuck: 38 (risos)
Pierre: Eu não tenho uma idade decidida. Eu acho que, fazer uma turnê como nós fazemos hoje e o tempo que nós passamos na estrada comparados ao tempo que nós passamos com nossas famílias, é claro que eu diria que aos 50 anos gostaria de fazer menos isso, mas pensar também que se tem demanda pelo grupo quando nós tivermos 50, 55, 60 anos e que nós seremos capazes de fazer uma turnê ou mesmo um show eu acho que será proveitoso, será legal.
Jeff: Eu acharia triste que minhas filhas dissessem: “Meu pai já fez parte de uma banda.” Eu gostaria que elas vissem isso e crescessem com isso com um certo orgulho. Eu acho que minhas filhas vão poder dizer que viram o seu pai num palco, é claro que não sabemos quanto tempo pode durar uma carreira, mas eu acho que por enquanto ainda está saudável. Nós adaptamos nossas pequenas turnês a nossa realidade de pai, é claro que o David tem de nos seguir um pouco neste ritmo, mas isso é realmente uma preocupação, as coisas mudaram e eu acho que os anos que estão vindo com certeza vão mudar, vão evoluir, eu ainda não sei te dizer como.

HM: Você vê uma diferença em relação aos outros membros do grupo, no sentido que eles são casados e você é solteiro?
David: Sim, é claro que isso cria uma diferença, mas mesmo se eu não tenho, eu aprecio muito as crianças. Eles todos tem filhos lindos.
HM: Você tem pressa de voltar?
David: Sim, sim. Eu amo tocar nos shows.

HM: Montreal, retorno a casa. Um show importante e cheio de emoção. Foi aqui que tudo começou. O show no Centre Bell, em frente aos membros da família, amigos e vários fãs. O grupo está feliz, pois eles estão novamente completos. David voltou e ele está lá para ficar.

Pierre: Estar juntos é voltar a nossas forças. Estar em cinco é sempre melhor do que estar em quatro.
Jeff: Eu mandei uma mensagem a David durante a turnê e a mensagem era: “Nós estamos no Brasil, os shows foram grandes e bons, mas você fez falta e eu acho que é importante que eu repita isso”.
Pierre: Juntos nós somos mais fortes do que individualmente. Uma coisa que meu pai repete sempre: “Não esqueça os caras, como grupo vocês são muito fortes.”
Chuck: Eu acho que que estar novamente em cinco é voltar ao normal. Ë de voltar ao que nós conhecemos, ao que é confortável, ao que fez a marca e a força da banda.
Jeff: O Brasil era um compromisso necessário, não era algo que nós gostaríamos de fazer sem o David, foi meio obrigatório e nós fizemos o melhor que podíamos com a situação, mas honestamente, nós preferiríamos que nunca tivesse acontecido e que nós pudéssemos continuar como o Simple Plan sempre foi, os cinco juntos.

Este artigo não possui comentários

© 2005 - 2017 - Alguns direitos reservados | Desenvolvido por Kézily Correa